Relato de viagem

Passeamos pela belíssima baía de Camamu e fomos esquecidos pelo grupo na ilha do Goió

No dia anterior compramos o passeio pela baia de Camumu pelo valor de 40 reais e nesta manhã o passeio sairia às 10. Com a barraca debaixo de uma sombra gostosa dormimos até mais tarde e logo depois que saímos da barraca surgiu um rapaz distribuindo um panfleto com oferta de café da manhã. Na propaganda dizia que eram produtos naturais e orgânicos e que havia café de 4, 6 e 10 reais.

Café da manhã bom e barato

O preço parecia bom  e fomos lá conferir. Não tínhamos muito tempo (já era quase 09:30). Esse lugar fica meio escondido, um pouquinho antes da loja de mergulho chamada 13 Sul. Há uma passagem lateral e atrás há um espaço arborizado e com mesas e assentos bem bonitos.

Início do passeio pela baía de Camamu Início do passeio pela baía de Camamu(vídeo)

Pedimos um café da manhã de R$ 6,00 e outro de R$ 10,00 e quando a mesa foi servida nos surpreendeu pela quantidade. Veio tanta coisa que nem lembro tudo, mas tinha pão, queijo, mingau de mungunzá, bolo, suco, café e mais outras coisas.

Eu como muito, mas não dei conta e tive de levar um pouco para o passeio. A proposta deles é oferecer um café da manhã saudável (com alguns produtos orgânicos) e a um preço acessível. Eles estavam começando agora e queriam divulgar. Se estiver em Barra Grande recomendo!

Saímos do café correndo em direção ao cais para embarcar no nosso passeio. Quando já estávamos lá Viviaane lembrou que tinha esquecido o colete salva-vidas e pediu par eu ir no camping pegar. Eu titubiei por que achei que não ia dar tempo, mas terminei indo, correndo (dessa vez literalmente) e disse  a ela para não deixar a escuna sair sem mim! Cheguei ofegante mas embarquei.

passeio pelas ilhas

Segundo o roteiro do passeio visitaríamos a ilha da Pedra Furada, daríamos uma paradinha para fotos na Ilha Grande

Cais de Barra Grande Cais de Barra Grande

(da água mesmo, sem desembarcar em terra) e depois iríamos para a ilha do Goió, que é um lugar maravilhoso.

A ilha da Pedra Furada é particular e por isso é cobrada uma taxa de 5 reais por pessoa para acesso. Como o próprio nome diz essa ilha é famosa por ter uma pedra "furada" e é possível tirar fotos lindas, ficando no meio do furo e pegando o mar atrás. Já na ilha do Goió não é cobrada nenhuma taxa.

Os funcionários da escuna avisam que serão duas horas livres nessa ilha e depois todo mundo embarca novamente para atravessar o pequeno canal, que separa a ilha do Goió do continente, para almoçar num dos restaurantes que ficam na beira do mar e custa em média 30 reais por pessoa. De forma geral não achamos o passeio caro e se você vai a Barra Grande é praticamente obrigatório fazê-lo, já que esse é o melhor meio de conhecer as belezas da terceira maior baía o Brasil.

Depois de ouvir um funcionário da escuna explicar todo o trajeto zarpamos. Felizmente sem som alto com baixaria. Ao nosso lado estava um casal de São Paulo e logo começamos a conversar. Eles também curtem moto (e também fazem viagens de moto). Trocamos algumas figurinhas a respeito de duas rodas e sobre a estrada até Barra Grande e descobri que só eu tinha feito essa aventura, já que ele tinha vindo de carro.

Ilha da Pedra Furada Ilha da Pedra Furada

Ilha da Pedra Furada

A primeira parada foi na ilha da Pedra Furada, que como foi dito é particular. O desembarque foi feito na praia mesmo e pudemos perceber que já havia uma grande quantidade de gente fazendo a visita. Esse é um ponto que todos querem visitar, pela paisagem única da pedra furada.

Apesar de ser bonito eu nunca tinha visitado, já que não sou muito chegado e lugares tão cheios. Gosto mais de lugares mais virgens e de difícil acesso. Havia até fila para tirar foto, além da guarita para pagar a entrada. O visual é realmente bacana, e há diversos pontos interessantes para tirar fotos além do local da pedra furada. Essa parada durou, entre desembarque, tempo livre e embarque próximo a uma hora.

Em seguida nos dirigimos em direção à Ilha do Goió e passamos rapidamente pela Ilha Grande, dando uma pequena paradinha  (no mar mesmo) para observar e tirar fotos.

A dica especial para a ilha do Goió

Ilha da Pedra Furada Ilha da Pedra Furada

A navegação até o Goió durou cerca de 40 minutos e chegando lá foi informado que tínhamos duas horas livres na ilha e depois disso a escuna zarparia para o restaurante que ficava do outro lado do canal que separa a ilha do continente. Marquei a hora no meu relógio e seguimos para explorar a ilha.

Eu já havia visitado essa ilha numa viagem que fiz de veleiro de Salvador até Abrolhos. O lugar é realmente lindo e que queria levar Viviane para conhecer os cantinhos mais bonitos, especialmente a parte de trás da ilha, que é menos badalada. Foram poucas as pessoas que foram conhecer essa parte, até por que não é muito divulgado. Atravessamos a ilha (que é pequena, cerca de 1km de comprimento) e ficamos curtindo os prazeres de um lugar lindo. Havia outras pessoas lá, mas poucas em relação à parte frontal da ilha, onde as escunas fazem o desembarque.

Esquecidos na ilha do Goió

Fiquei monitorando o relógio e na hora marcada estávamos de volta ao ponto de embarque. Olhamos para um lado par ao outro e a escuna tinha zarpado sem nós! Estávamos presos numa ilha! rss. Mentira, rss. Dava para ver  escuna lá do outro lado do canal. Eles realmente esqueceram de nós, e zarparam de forma antecipada e ainda não contaram as pessoas. Um absurdo.

A parte escondida da ilha do Goió A parte escondida da ilha do Goió

 

Havia um outro casal conosco que ficou na mesma situação. Sem alternativa, eu resolvi atravessar nadando  canal para chegar até a escuna e avisá-los que eles havia deixando pessoas para trás. Era um nado curto, de cerca de 800 metros.

Quando cheguei lá o marinheiro de início não acreditou que haviam nos esquecido, mas diante da prova irrefutável de três pessoas na ilha acenando ele não teve alternativa se não ligar os motores e ir "resgatá-los".

Encontrou erros nesse post? Comunique!
RBBV Código Criativo