Relato de viagem

Replanejando a viagem e mudando o roteiro para fazer intercâmbio

A ideia original era viajar para o Canadá para fazer um intercâmbio de inglês, juntando estudo e lazer, já que nos fins de semanas e horários livres iríamos aproveitar para fazer turismo. Eu vinha planejando esta viagem desde setembro do ano passado. Após a volta da viagem pela América do Sul, já estava maquinando como seria a próxima. Quando estamos voltando e terminando uma viagem tão especial já começamos a sentir um vazio, um clima de final de festa. Para me animar já começo a pensar na próxima, o que sempre me traz estímulo.

Intercâmbio, um sonho antigo

A vontade de juntar turismo e estudo era intensa, já que era um objetivo meu melhorar ainda mais meu inglês para dar continuidade no meu progresso profissional. Fui à feira de intercâmbio que ocorreu aqui em Salvador, (se não me engano em setembro de 2010) e os contatos me deixaram muito animados. Conversei com diversas escolas de inglês Canadenses, e pude ter uma noção real do preço. O Canadá era o destino escolhido por vários motivos: a tradição em qualidade de ensino, as belezas naturais, o povo amigável e o fato de ter o inglês como idioma oficial.

As três primeiras características eu já tinha lido muito a respeito e esperava confirmar após essa viagem. A imagem que tive do Canadá sempre foi de um lugar belo, tranquilo e amistoso, talvez por dificilmente se envolver em conflitos internacionais, talvez por causa de vários filmes que vi. No intercâmbio eu teria um custo de estadia mais barato, poderia vivenciar o dia-a-dia de uma família e ainda teria mais oportunidade para praticar o idioma.

hipnotizado pelo Canadá

Destino decidido comecei então a pesquisar lugares que poderia visitar, passagens aéreas e a ler relatos de outros viajantes sobre o país. Sempre lia boas recomendações e quase todos eram unânimes em dizer que era o lugar mais bonito que já tinham visitado. Depois que vi o filme A Origem fiquei ainda mais estimulado, pra não dizer hipnotizado.

Eu estava disposto a fazer essa viagem sozinho, caso não encontrasse companhia. Entretanto, obviamente eu preferia ir com mais pessoas. Convidei então Júlia, já que ela também precisava avançar no inglês e ela logo demonstrou interesse. Entretanto logo de primeira ela disse que não poderia no final do ano de 2010, mas sim em julho. Eu queria realmente ir logo em dezembro, mas juntando o fato de Júlia só poder ir em julho, com a viagem que eu faria no final do ano para Ilhabela eu decidi então adiar e ter a companhia de minha irmã.

Fui para o litoral sul de São Paulo, voltei e após alguns meses comecei a ver novamente a viagem para o Canadá. Fui a outra feira de intercâmbio (dessa vez Júlia e Junior foram comigo), e algum tempo depois fomos numa palestra do governo do Quebec para quem tivesse interesse em emigrar para este estado. A palestra foi bastante interessante e só me deixou ainda mais interessado em visitar o país.

Explorando as opções

Eu estava meio inconformado em fazer uma viagem para um lugar só. Comecei então a pesquisar sobre conexões, trens e outros meios de ir do Canadá para os EUA, e vice-versa. A ideia era tentar conhecer Nova Iorque num fim de semana, tendo assim a oportunidade de visitar a terra do tio Sam. Já estava tudo mais ou menos encaminhado e após várias visitas a agências de turismo já tínhamos finalmente escolhido uma. Se não fosse o fato do intercâmbio viajaríamos por conta própria mesmo, mas nesse caso era um pouco difícil. Foi então que cerca de três meses antes da data escolhida para a viagem fomos à agência escolhida para finalmente fechar o pacote.

Desistindo do canadá :-(

Começarmos a conversar e uma das funcionárias então nos disse que no caso de Júlia muito provavelmente ela teria o visto negado, já que estava terminando a faculdade justamente alguns dias antes da viagem e por que estava a também sem vínculo empregatício. Esse conjunto poderia caracterizar um perfil de uma pessoa sem vínculos com o país de origem, podendo ser um potencial imigrante. Diante do problema, foi sugerido então que fôssemos para Londres, já que não é necessário visto. Neste momento fiquei muito triste, pois deseja realmente visitar o Canadá. Mas como queria que Júlia me acompanhasse, terminei, a contragosto, aceitando a ideia.

Novo roteiro

A partir de agora, tudo havia mudado. O destino era outro, todas as pesquisas feitas não tinham mais efeitos, e teria de começar a estudar o novo cenário. Para efeito de compensação, logo surgiu então a ideia de aproveitar a viagem e conhecer mais outros países. Não foi difícil chegar à conclusão de que a melhor opção seria incluir a Bélgica e a Holanda no roteiro, já que eram países próximos, e que eu e Júlia ainda não conhecíamos.

A viagem antes da viagem

Como já sabemos, a viagem começa muito antes do embarque. Começa na nossa imaginação sobre o os lugares, sobre como são as pessoas, as coisas novas que vamos aprender, sobre um pouco da cultura que vamos conhecer  e conviver e sobre as paisagens que vamos ver. É uma sensação muito boa a de ficar conversando sobre os planos, o que vamos fazer e como vai ser divertido. Isso nos alimenta, e nos deixa muito inspirados.

Reunimo-nos diversas vezes para planejar os lugares que visitaríamos, como iríamos para os outros países e quanto tempo ficaríamos em cada um. As reuniões eram sempre animadas e muitas risadas rolavam, como sempre. Após várias discussões chegamos enfim ao consenso que a melhor forma de visitar a Bélgica e a Holanda seria de trem. Diversificaríamos, além de ser mais confortável, barato, e realizaríamos o sonho de passar por baixo do canal da mancha.

Novos planos, longa jornada

A nossa jornada seria longa. Pegaríamos um voo de 8 horas de salvador para Lisboa, depois aguardaríamos 4 horas no aeroporto lusitano para pegar uma conexão para Londres. Chegando lá, passaríamos pela imigração, pegaríamos um metrô do aeroporto para a estação internacional de trem Stª Pancras e esperaríamos 5 horas para pegar o trem europeu de Londres para Bruxelas. Ufa!! Foram mais de 24 horas viajando em meios diferentes até chegar no nosso destino final temporário (risos), por que ficaríamos um dia e uma noite um Bruxelas e no dia seguinte seguiríamos para Amsterdam, na Holanda.

Atualização: depois de desistir do em 2011 por questões prática agora em 2014 estou indo para o Canadá. Acompanhe essa nova viagem . Vou contar todas as experiências e dicas.

Encontrou erros nesse post? Comunique!

Roteiro e Localização

Último local: Madame Tussauds, + detalhes
RBBV Código Criativo