Relato de viagem

Um dia na cidade Caótica de Mumbai

Mumbai é a cidade mais populosa da Índia e muito conhecida por seus amplos contrastes sociais e por abrigar Bollywood, a versão indiana do bairro Hollywood, onde são produzidos a maior parte dos filmes indianos. Mumbai é a capital comercial e do entretenimento da Índia. A cidade abriga importantes instituições financeiras como o banco de reserva de Índia, a bolsa de valores de Bombaim e a sede de numerosas empresas indianas e multinacionais.

Considerando o PIB Mumbai é a cidade mais rica da Índia e a trigésima mas rica do mundo, estando à frente de Sidney na Austrália e do Rio de Janeiro, por exemplo. Entretanto essa riqueza está longe de ser bem distribuída e por isso a pobreza é tão presente e chocante.

Mumbai foi nossa primeira cidade na Índia e havíamos chegado na madrugada anterior, vindo de quase dois dias de viagem a partir de São Paulo.

Dormimos demais

Quarto do hotel cosmo Quarto do hotel cosmo: lindo por dentro e feio por fora

Após dormir muito tarde no dia anterior, planejamos ainda assim acordar cerca de nove da manhã na manhã seguinte para aproveitar o dia e conhecer o que fosse possível na cidade.

Na prática não foi isso que aconteceu. Tínhamos dormido demais e perdido a hora! O mais surpreendente é que nem Marcelino que normalmente levanta cedo, independe do horário que for dormir, também não tinha acordado. Foi então que levantei, fui até a porta do quarto de Julia e Marcelino e os chamei. Pela primeira vez depois de muito tempo eu tinha acordado antes de Marcelino. Aproveitei para tirar um sarro e dizer que ele tinha dormido demais!!

Café da manhã do brasil

Devido ao horário obviamente tínhamos adiado, mesmo que não intencionalmente, o nosso primeiro contato com a comida e bebida indianas, já que havíamos perdido o café da manhã. Como eu tinha vindo precavido preparei uma café da manhã dentro do próprio quarto, usando as frutas, a granola e o iogurte que eu tinha comprado ainda em Guarulhos.

Café tomado, preparei minha mochila pequena colocando água no camelback, câmera digital e algumas frutas. Coloquei meu porta-dólar na cintura, algumas rúpias nele, meu passaporte e fiquei pronto. Logo em seguida Júlia e Marcelino apareceram e saímos juntos.

IMPRESSIONADOS COM A sujeira

No dia anterior de madrugada, quando chegamos em Mumbai, pudemos ver uma parte muito pobre da cidade. Mas durante o dia pudemos ver com mais clareza a realidade. A pobreza não é daquelas que vemos no sertão do nordeste, onde não há poucas pessoas e quase nada que permite a sobrevivência humana.

Ruas de Mumbai Confusão das Ruas de Mumbai

Ao contrário, parece que falta de tudo pela quantidade enorme de pessoas. Aliado a isso há um trânsito frenético e louco com incontáveis rickshaws e tuk-tuks para um lado e para o outro, com muita gente andando na rua, muito comércio e uma intensa atividade econômica. A verdade é que em Mumbai, assim como em toda a Índia, há um contraste  enorme entre riqueza e pobreza, só que mais acentuado. Nossa hospedagem ficava na parte pobre da cidade e isso nos trouxe uma impressão negativa e assustadora.

Nessa região onde estávamos apesar de frenética, a atividade econômica aparenta ser muito informal, bagunçada e mal estruturada. São pequenos comércios, com barracos e construções mal feitas amontoadas umas nas outras. Exibindo um contraste extremo intercaladas entre essas construções desajeitadas há construções belíssimas, hotéis de luxo e grandes hospitais, tudo num só cenário, de uma forma surpreendente.

A questão é que ficamos em Andheri, no subúrbio da cidade. Mumbai mesmo sendo uma cidade rica em relação ao PIB tem uma pobreza grande e no subúrbio isso se torna pior. Além da pobreza o que impressiona muito é a sujeira, muito presente. De forma geral esses dois aspectos são bem pior do que nas cidades brasileiras.

Hotel luxuoso ao lado da pobreza extrema Hotel luxuoso ao lado da pobreza extrema

Ilhas de riqueza no meio do caos

Quando saímos caminhando do hotel, depois de cerca de 10 minutos encontramos um restaurante que parecia muito limpo. Era bem pequenininho, mas com mesas lindas no interior, vários acabamentos de granito e decoração bonita.

Nos chamou tanto a atenção que decidimos entrar e perguntar por mais detalhes. Fomos recebidos por dois indianos jovens sorridentes e que pareciam ser os proprietários de um novo empreendimento. Foram muito gentis, nos mostraram o cardápio e nos explicaram algumas coisas sobre os pratos disponíveis. Como ainda estava muito cedo não queríamos almoçar naquele momento.

Além do mais apesar da aparente limpeza ainda estávamos duvidosos da higiene em relação aos alimentos. Aproveitamos então para perguntar sobre qual seria a praia mais próxima para irmos que fosse perto dali. Ele então nos disse que fôssemos na praia Juhu. Perguntei se lá era possível tomar banho e nadar. Ele deu uma risada com se estivesse pensando "que tolos" e disse que não.

DOCE ILUSÃO

Ele perguntou então da onde éramos e quantos dias iríamos ficar. Eu disse que éramos do Brasil e que íamos ficar um dia e que depois seguiríamos para a província de Goa, ao sul. Ele então sorriu e disse que lá encontraríamos belas praias. Goa é famosa por suas praias e é uma região turística e por isso havia entrado no nosso roteiro.

Trânsito maluco de Mumbai Trânsito maluco de Mumbai

O trânsito maluco

Continuamos então nossa caminhada. O tempo todo ouvíamos a buzina frenética dos indianos. É incrível como eles buzinam o tempo todo! Quase não há semáforos nos cruzamentos, cada um vai passando como acha melhor. Eles passam bem pertinho dos outros veículos, buzinam o tempo todo mas de alguma forma surpreendente se entendem.

Apesar desse trânsito confuso eles não gritam e não se exaltam uns com os outros. Eles convivem com isso de forma harmônica. rickshaws, motos, carros caminhões, bicicletas, pedestres e algumas poucas vacas se ajustam e se adaptam a esse tipo de trânsito.

Iniciando um tour pela cidade

Após caminharmos por alguns quilômetros em direção a Juhu e sermos abordados vários vezes com ofertas de rickshaws e táxis finalmente fomos abordado por alguém que nos pareceu poder oferecer um serviço bacana.

No táxi com o "tio" Anjan Saha No táxi com o "tio" Anjan Saha

Ele não veio logo oferecendo táxi ou transporte, mas simplesmente perguntou de onde éramos, depois falou do futebol do Brasil (quase sempre a única coisa que eles sabem sobre o Brasil é sobre o futebol), das músicas e então perguntou onde estávamos indo. No final então disse que se quiséssemos ele poderia nos levar num tour de 8 horas para conhecer os principais pontos de Mumbai.

Como já era cerca de 14:00 horas, e não pretendíamos ficar mais um dia em Mumbai eu perguntei se ele não poderia fazer um tour de 4 horas. Ele disse que sim é após uma negociação acertamos o preço de 800 rúpias. Como o valor em numeral é grande e ainda não estávamos acostumados com o conversão precisei fazer umas contas para me certificar do valor e perceber que dava míseros R$ 7,40 para cada um.

Conversamos e topamos na hora. Ele pediu que esperássemos enquanto pegava o carro ali perto e pouco tempo depois voltou. Enquanto esperávamos um outro taxista conversou com a gente e disse para não pagar nenhum valor extra no final da corrida. Ouvimos e agradecemos e antes de entrar no táxi novamente confirmei que seriam somente as 800 rúpias pelo trajeto inteiro, e após isso embarcamos.

Dica: se você for tomar um táxi tome cuidado por que apesar de amigáveis eles gostam de inventar histórias para extrair mais dinheiro no final e por isso sempre deixe claro o valor acertado.

Parada na Rajiv Gandhi Sea link Parada na Rajiv Gandhi Sea link

Anjan resolve tudo, é só pedir!

Anjan Saha era o nome do nosso motorista que gostava muito de falar e que logo disse que ele seria nosso "tio indiano" (indian uncle) e que qualquer coisa que precisássemos era só pedir a ele que seria resolvido.

Anjan disse que tinha um irmão que era médico e que cuidava de qualquer parte do corpo! Completou que no Brasil os tratamentos de saúde deviam ser muito caros e que poderíamos fazer com o irmão dele! Depois continuou dizendo que tinha um irmão que era oficial da polícia e também um filho que é modelo e ator em Bollywood (centro cinematográfico da Índia).

O simpático motorista explicou que nos levaria para conhecer a parte mais rica de Mumbai, onde moram os políticos, oficiais de alta patente e os superstars, como ele chamava os atores famosos. Depois de dirigir algum tempo ele então parou na Rajiv Gandhi Sea Link, de onde se tinha um vista bem ampla de grande parte da cidade e da baia de Mahim.

Curiosamente naquele local havia uma placa dizendo que era proibido fotografar e quem fizesse isso poderia ser processado. Perguntei sobre a placa e ele disse que não havia problema e que aquela placa só valia para paquistaneses! Isso demonstra que a velha richa entre indianos e paquistaneses ainda está bem ativa.

Saga Department Store Saga Department Store

Seguimos e a próxima parada foi num shopping que segundo o Anjan vendia produtos de Dubai. Logo ao entrar percebemos que trata-se de um local de alto padrão, com instalações e produtos de primeira. Se os produtos eram ou não de Dubai não importava, mas com certeza ele nos levou ali por que ganharia uma comissão caso comprássemos.

Mesmo estando numa região melhor em relação à do nosso hotel ainda assim a pobreza, a bagunça e a sujeira eram bem visíveis. O contraste entre a rua suja, bagunçada a barulhenta e o lado de dentro elegante, limpo e caro é algo que vemos no Brasil, mas  que já na Índia vai ao ponto extremo.

Praia de Juhu, surpreendente

Depois do shopping de Dubai fomos para a praia de Juhu. Era uma praia urbana, suja e com muita pobreza. Havia muito comércio, muitos corvos (como em toda a Índia) e muito vendedor ambulante vendendo de tudo, de formal que toda hora tínhamos de fixar dizendo "no".

Caminhamos por cerca de 500 metros, tiramos umas fotos e começamos a voltar. Foi então que um local pediu para tirar foto conosco. Como eu ainda não conhecia esse comportamento deles e achei meio estranho disse que não. Ele sorridente insistiu, e eu mais uma vez eu educadamente neguei. Marcelino vinha um pouco atrás, e quando eu vi estava cercado de indianos.

Foto com vendedor indiano na praia de Juhu - Mumbai Foto com vendedor indiano na praia de Juhu - Mumbai

Para nós que estamos acostumados com as assaltos e roubos no Brasil, logo nos vem à cabeça que ali vai acontecer um, mas na verdade era só curiosidade. Pediram para tirar foto com Marcelino e ele topou. Um dos indianos, com gestos, disse então que tirava a foto. Marcelino pensou em dá a câmera, mas também receoso  ficou segurando a mesma pela alça, acho que com medo dele sair correndo com mesma. Felizmente nada aconteceu além de uma bela foto!

Ainda na nossa volta uma série de ambulantes nos ofereciam coisas e outros pediam, incluindo o vendedor de henna que insistia em vender para Júlia. ele terminou comprando um pouco e ele depois continuou oferecendo, só que agora dizendo para ela comprar mais!

Fugindo para Goa

Conversando com o taxista disse que estávamos indo para Goa no dia seguinte e que pretendíamos ir de trem. Ele disse logo que trem não era uma boa opção e que era melhor que fôssemos de ônibus. Disse também que poderia nos levar na empresa que vende as passagens e que já poderíamos comprar. Pedimos então que ele nos levasse lá para compramos.

Praia de Juhu em Mumbai Praia de Juhu em Mumbai

Chegamos na Fast Track Tours and Travels e diferente do que pensávamos não no local da venda das passagens de ônibus não havia rodoviária. era uma lojinha apertada, com limpeza a desejar e além de vender as passagens, dali mesmo saia o ônibus. Me informei sobre o preço e sobre as nossas principais preocupações a respeito do ônibus: a segurança, se não era velho e se era confortável.

Para minha surpresa, apesar do local ruim, pelas fotos mostradas por ele o ônibus parecia bom e novo. Além disso tinha poltronas leito! O preço era de 1000 rúpias por passageiro, o que dava cerca de 45 reais por pessoa para uma viagem de 700 quilômetros. Barato se comparado com os valores do Brasil.

O horário do ônibus é que foi uma questão difícil de resolver. Só tinha saindo 18:30 ou 21:00 e já era 18:40. Isso significava que ou correríamos para sair ainda naquela noite às 21:00 ou teríamos de dormir mais uma note em Mumbai e ficar  dia todo seguinte na cidade e só sair à noite. Como um dia já foi mais do que suficiente para conhecer a realidade do lugar e não queríamos ficar decidimos comprar a passagem para aquela noite mesmo. Teríamos de correr um pouco mas já amanheceríamos em Goa.

Pagamos as passagens, passamos num lugar rápido para comprar frutas e algumas outras coisas (Viviane comprou algumas roupas) e fomos correndo para o nosso hotel Cosmo.

Ônibus confortável de Mumbai para Goa Ônibus confortável de Mumbai para Goa

Ele não resistiu e tentou pedir mais

Quando nosso taxista nos deixou no hotel veio com um papo querendo mais dinheiro além do acertado. Perguntou se não tínhamos gostado do serviço e dizendo que o preço de 800 rúpias era só pelo carro, e não incluía o serviço do motorista. Apesar de alegar isso ele falou de forma educada e disse que eu que decidia se queria pagar alguma coisa a mais. Eu disse que tinha gostado do serviço mas que já tinha pago o combinado. Ele se contentou e foi embora.

Mesmo após essa tentativa dele ficou tudo bem e até hoje recebo emails de Anjan desejando feliz natal e boas festas e perguntando quando vou para a Índia novamente.

Entramos então no hotel, tomamos um banho, arrumamos as coisas, fizemos check-out e pagamos um táxi do hotel para nos levar na "rodoviária". Chegamos lá cerca de 19:40 e tivemos de esperar até a hora do embarque. Com poucos minutos de atraso o ônibus chegou e nos deixou alegres por parecer bem novo e confortável. Entramos no ônibus, inclinados nossos assentos e estávamos prontos para nossa jornada até Goa, que prometia ser u lugar bem melhor.


Contato de Taxista/Guia Anjan de Mumbai
Endereço: Nwhru Nagar, Near Petrol Pump - 4000099 - Mumbai
anju895@rediffmail.com - +91 9892965475

Empresa que opera a linha de ônibus Mumbai-Goa
Fast Track Tours & Travels
Western Express Highway, Andheri (E) 400099 - Mumbai
+91 9979368701 / 9819787372

Encontrou erros nesse post? Comunique!

Roteiro e Localização

Último local: São Paulo - SP, + detalhes
RBBV Código Criativo